New London: A livraria onde é proibido usar tablets e smartphones

Por Daia Florios

Em um mundo dominado pelo e-book e pela internet, ainda existem pessoas que preferem o livro de papel. Em Londres, os arquitetos espanhóis José Selgas e Lucía Cano projetaram a New London, uma livraria que proíbe o uso de quaisquer dispositivos eletrônicos, principalmente os celulares.

O interior da biblioteca se assemelha a um labirinto em que os leitores podem entrar e se perder entre as centenas de volumes. Os arquitetos se espiraram no conto A Biblioteca de Babel do escritor argentino Jorge Luis Borges, onde o mundo é constituído por uma biblioteca infindável.

Leia mais sobre o assunto em GreenMe

Em 15 anos, número de livrarias cai e o de bibliotecas sobe no Brasil

medium_85441961

Por Robson Sales

A proporção de cidades com livrarias diminuiu nos últimos 15 anos, segundo o suplemento de cultura do Perfil dos Estados e Municípios Brasileiros, divulgado nesta segunda-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 1999, 35,5% dos municípios do país informaram possuir pelo menos uma livraria; em 2014, esse percentual caiu 27,4%.

Segundo o ministro da Cultura, Juca Ferreira, os dados do estudo indicam que “é impressionante o grau de exclusão [cultural], acessibilidade às artes”. O suplemento de cultura foi produzido pelo IBGE em parceria com o Ministério da Cultura.

Leia mais sobre o assunto em Valor Econômico

Amazon inaugura sua primeira livraria física nos Estados Unidos

Uma gigante da internet, que começou como livraria on-line, agora, mais de 20 anos depois, passará a vender livros à moda antiga. Nesta terça-feira, a Amazon inaugura sua primeira loja física, a Amazon Books. Situada em Seattle, nos Estados Unidos, esta é a primeira loja “real” da marca.

Mas nem tudo será feito à moda antiga. Os dados de navegação e comportamento dos usuários da versão virtual da Amazon serão cruciais para definir o estoque da nova loja: notas de clientes, dados de vendas, popularidades em sites como o Goodreads, tudo isso conta. Curadores também ajudarão a formar a gama de produtos oferecidos.

Além de vender livros de papel, a Amazon vai aproveitar o espaço para mostrar sua linha própria de eletrônicos. Frequentadores da nova loja poderão testar toda a família de e-readers Kindle, bem como o Echo, o Fire TV e os tablets, também da linha Fire.

Leia mais sobre esse assunto em O GLOBO